10 janeiro 2013

There And Back Again

Boa noite! Depois de algum tempo de muitas reviravoltas pessoais, finalmente temos coisas novas. Vai valer a pena, então continue lendo! #KeepReading
Não vou entrar em mil e um detalhes de todas as reviravoltas que se deram na vida desse ser, mas acreditem: Foram coisas diferentes, boas, estranhas, confusas, contraditórias, excitantes... Mas vamos lá! Quem se perguntou se a escrava literária aqui teve inspiração nesse tempo, saiba que ela teve sim. ;] Tanto é que dessa vez o post vai ser especial! O que a Tia My não faz pelos amores que vem aqui no blog, né?
Vamos ao nosso objetivo 1: Esse poema é muito especial, muito especial mesmo, porque é o único que fiz num eu lírico masculino até hoje, e usei-o para inaugurar o Ventos de Myrella. Então mesmo que vc já o tenha lido, é muito válido reler e ter novas impressões:

Quero que você se abra pra mim, pequena flor de fogo;
Floresça na calor da primavera dos meus braços.
Quero te fazer desabrochar e te despedaçar,
Em cada beijo e cada abraço.
Te deixar sem ar.


Vibre nos meus braços
E me deixe sentir sua febre
pele a pele.


Quero adentrar teu corpo como um templo,
Violar-te com deleite.
Se abra pra mim,
Me receba, me acolha por inteiro
Me aceite.


Seja minha e possua minha essência;
Parte das minhas virtudes, parte dos meus pecados;
Toda minha paixão.
Me unifique,
Me queime e me purifique.


Derreta nos meus braços.
Quero sentir você assim, tremendo
Repetindo meu nome, baixinho
De olhos fechados,
Como uma oração.


Gosto de sentir seu coração firme
Assim tenso e retesado como as cordas de um arco;
Acompanhando o ritmo do meu
Vibrante e tímido,
Como o sol ao nascer.


Quero colher com prazer
Cada suspiro da sua boca doce.
Saber que sou eu a arrancar cada um deles;
Me envaidecer.


Quero você por inteiro com um desejo que nunca senti.
Que me vira a cabeça,
Que não posso controlar, como se eu não fosse eu.
Quero que seja toda minha, enquanto eu sou teu.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vamos ao objetivo 2: Apesar de ser bem antigo, esse poema foi originalmente escrito assim, nesse idioma e nessa forma meio exagerada na musicalidade. Aqui a graça é você ler e dar um ritmo bem de musica à letra, com seu leitura. Ah, lembrando que mesmo antigo, esse poema foi escrito num brainstorming, muito rápido, e nunca foi revisado, então se acharem erros me avisem, ok? Se você não é todo trabalhado no inglês ou não curte o estilo, pode pular essa parte:

You don’t need to know,
What I’m paying to have you.
Did you ever hear
Angels calling from heaven?

Fire in my heart
When I wake from this dream.
I was dreamimg of you
And it’s weird how it seems.

You don’t have to see
How much I bleed to touch your soul.
Giving all my life
To see the glory in your eyes.

To meet you in another dimension,
Walking with you,
Side by side,
It’s my only way to live.
Praying for heaven in your eyes.

















-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

E... Ok! Já imagino que algumas pessoas podem não gostar de tanta informação de uma vez, mas conheço pessoas que adoram ler e não reclamam de mais uma colherzinha de chá que a Tia My dá, não é? Então vamos ver o que temos agora. Sim, eu estava lendo uma matéria que se chama algo como "quartos de crianças ao redor do mundo", em que foi feito um registro fotográfico de crianças da mesma faixa etária em muitos países do mundo; É lindo, é legal, e meio curioso de se ver as diferenças de estilos de vida, situação financeira, prioridades materiais etc. Acabei me inspirando algum tempo depois e saiu esse poema que deixo agora, chamado "Vida estranha". Ele é meio diferente do que vocês já leram por aqui, mas espero que curtam!

Vida bela
Corpo cela.
Caravela,
Vela, vela...

Vela vela,
Pequeno anjo.
Arranje o desarranjo,
Travesso anjo,
Que tu mesmo arranjastes.

Vida triste.
Arma em riste,
Asas feridas.
Caíste, caíste...

Caíste na nuvem
Pequeno menino,
Embora ela não fosse macia;
Pequenino, alma vazia
Que o mal já viste,
Mas que ainda vela
Como o pequeno anjo,
Na caravela
Que vela, vela.



Bom, acho que agora chega, né?
Espero que gostem e até a próxima! Beijos a todos!

Curiosidade: A autora desse blog escreve absolutamente tudo à mão, de preferência com lápis. Só depois que é vai tudo pro computador. Haja paciência!