21 maio 2011

Rei Branco

Olá [se tiver alguém lendo]...
Andei desanimada com o paradão do blog, mas acho que contando que não escrevo com muita frequência e o blog é "relativamente novo", decidi continuar tentando. O antigo visual não estava me agradando, então resolvi testar esse aqui. Peço desculpas porque o menu ainda não está pronto, apenas o perfil e está muito desatualizado. Mas prometo que na próxima semana vou deixa-lo impecável.
Enfim... Não quero me alongar no post, então escolhi o poema de hoje por me lembrar um personagem de um anime que estou assistindo atualmente. Se alguém depois de ler quiser deixar um comentário dizendo quem acha que é o personagem, vou adorar saber o que o poema passou pra vocês. Então vamos lá:

Rei Branco
Um céu já noturno
De horizonte alaranjado;
Um Rei Branco,
Soturno,
De pecado salpicado.

Rasga meu peito
Pranto;
Num pulso de leão.
Um turno
Calado
Expõe meu coração,
Leito esmiuçado.


Suga a vida e a alma
Sem sair do lugar.
Morro dormindo,
Sem saída nesse mar.


Fico a vagar
Em eterna calma
Negro manto;
Me findo.
Toca, frio, a minha mão
O Rei Branco.
Morro sorrindo.