17 abril 2011

...

Sonhe que é feliz,
Vaso vazio;
Você só se engana
Se perde,
Cai na lama.

Bate como criança
Na mão que se estende.
Tenta alcançar a que não te quer
Que finge, mas não te entende.

Vida sem sal
Sem senso crítico
Barco sem porto
Sem bem nem mal
Amor ácido, cítrico
Corpo morto.



Demorei a postar, mas espero que o poema tenha compensado. Não tenho novidades por enquanto, mas espero que depois do feriado do páscoa eu possa trazer coisas inéditas e novidades interessantes. Nem vou me alongar por enquanto. Beijos!